MIX BRASIL 728X90 01
CAPA CRHYSTI MASTER FULL 01
PET DB CAPA FULL 01
LINAMEG COMPLETA
Good Pax capa 01
Central Gospel Livro Banner Principal
BACURI 728X90 01

Pênaltis perdidos na Eurocopa: culpa dos batedores ou mérito dos goleiros?

Por Portal Comunica AM em 26/06/2021 às 09:42:23

As oitavas de final da Eurocopa 2020 começam neste sábado, 26, com as duas primeiras partidas envolvendo os 16 classificados da primeira fase: País de Gales x Dinamarca, às 13h (de Brasília), e Itália x Áustria, às 16h (de Brasília). Além dos grandes jogos, recordes individuais e questões políticas e raciais, o torneio entre seleções europeias chamou atenção do mundo por uma questão específica: o número de pênaltis perdidos. Nos primeiros 36 confrontos, foram marcados 14 penalidades, com oito cobranças convertidas, quatro defendidas, uma na trave e outra por cima do gol. Os goleiros Lukás Hrádecký (Finlândia), Roubou Dimitrievski (Macedônia do Norte), Martín Dúbravka (Eslováquia) e Georgiy Bushchan (Ucrânia) foram os heróis de suas torcidas — ou quase no caso deste último, já que o macedônio Alioski marcou no rebote; Gerard Moreno (Espanha) e Gareth Bale (País de Gales), que nem sequer acertaram a meta, os vilões. Mas por que esse número tão alto de erros? A culpa é do batedor ou um mérito exclusivo de quem está lá para defender? Para o comentarista da Jovem Pan, Flavio Prado, a evolução da posição de goleiro e a introdução de tecnologia nos treinamentos ajudam com que os arqueiros tenham melhor desempenho.

“Foi natural a evolução nas performances dos goleiros, facilitando a defesa de penais. Os goleiros hoje são maiores, há treinamentos específicos desde os tempos de Valdir Joaquim de Moraes [lendário guarda-metas do Palmeiras que se tornou pioneiro na profissão de preparador de goleiros]. Há também as observações… Hoje um goleiro dificilmente vai para o lance sem saber o lado de preferência daquele que vai cobrar o pênalti. Então, com o uso da tecnologia, com a melhoria das técnicas de treinamento e com a altura dos atletas, obviamente cresceu muito [o número de defesas]. E também, com todos esses detalhes a favor dos goleiros, o lado psicológico do batedor ficou pior. Por isso, o número de defesas é algo natural, aumentou bastante”, pontuou o comentarista.

A questão psicológica é, justamente, um dos fatores mais importantes no trabalhados cotidianos dos atletas no futebol contemporâneo. A psicóloga de performance profissional do Cruzeiro, Michelle Rios, afirma que o trabalho mental tem que ser trabalho com os jogadores diariamente, assim como a parte técnica. “A preparação mental é feita pensando num treinamento que aborda os aspectos físico, técnico e tático, e dividida em etapas: a psicoeducação ensina o atleta a ter confiança, atenção/concentração, ansiedade pré-competitiva, a ser resiliente etc; e as habilidade grupais ensinam comunicação e liderança”, explicou a profissional, que também atende na clínica Arena Ortopedia Esportiva. “No caso dos pênaltis, é uma bola parada, mas tem um lado psicológico mais forte. Você deixa de lado a parte física e tática e leva muito mais a parte psicológica, que é a concentração e a técnica. O jogador precisa ser muito treinado e criar rotinas que o ajudem a ficar concentrado naquele momento. Por exemplo, ele vai ter ações para bater aquele pênalti: os mesmos passos, os mesmos movimentos”, completa a especialista. Esse tipo de comportamento fica nítido para os torcedores em atletas mais experientes. É o caso de Cristiano Ronaldo, que bateu três pênaltis nesta Euro e converteu todos. Em cada cobrança, o português beija a bola, toma uma certa distância, respira e corre para o chute. Muito parecido com o seu comportamento ao bater faltas.

Mas como ajudar os jogadores que perdem um pênalti a não esmorecerem? “Atletas mais novos ainda não sabem o que é ser resiliente, acham que só terão aquele momento na carreira. Mas, na maioria das vezes, eles terão outras oportunidade para se redimir. Já o atleta mais experiente sabe que vai ter outra oportunidade”, diz Michelle. Porém, em competições de tiro curto, em que todo jogo é uma decisão, essa pressão pode ser ainda mais danosa, tanto pelo pouco tempo de preparo como pela ausência de profissionais junto à delegação. “Às vezes, eles não têm tempo de treinar nem de recuperação psicológica. O treinador precisa conduzir melhor, porque esses times não levam psicólogos. A seleção brasileira não tem psicólogo. É difícil, inclusive, entre times profissionais da Série A, somente na base é obrigatório”, destaca a cruzeirense.

Sendo assim, é possível concluir que o pênalti não é loteria, como diz o ditado perpetuado há décadas no futebol. É, acima de tudo, treinamento e concentração mental, mas, claro, a sorte também precisa estar em dia. “O atleta precisa gerenciar as emoções para que elas não afetem a tomada de decisão”, finalizou a especialista. Resta continuar a acompanhar a Eurocopa e prestar mais atenção às cobranças dos penais. No mata-mata, em caso de empate no tempo normal e na prorrogação, o duelo será decidido na marca da cal. Ou seja, nos próximos 15 jogos que restam até a grande final, que será disputada em Wembley, no dia 11 de julho, há promessa de muita emoção, pressão… e pênaltis.

Veja os pênaltis perdidos na Eurocopa:

Dinamarca 0 x 1 Finlândia – 12/06
O finlandês Hrádecký defendeu cobrança de Højbjerg no primeiro penal perdido da Euro

Turquia 0 x 2 País de Gales – 16/06
O galês Bale, craque do seu time, isolou no duelo contra os turcos

Ucrânia 2 x 1 Macedônia do Norte – 17/06
O ucraniano Bushchan defendeu a penalidade, mas Alioski conferiu no rebote

Ucrânia 2 x 1 Macedônia do Norte – 17/06
No mesmo jogo, Dimitrievski pegou a batida do ucraniano Malinovskyi no seu canto direito

Espanha 1 x 1 Polônia – 19/06
Gerard Moreno, atacante da seleção espanhola, acertou a trave

Eslováquia 0 x 5 Espanha – 23/06
Mais um erro espanhol: Morata parou em bela defesa de Dúbravka

Fonte: JP

Comunicar erro
Capa 2 Couminca Am horizontal FULL
Banner 02 Pet DB

Comentários

Capa 3 Couminca Am horizontal FULL
Banner 02 Good PAX